Prevenção nacional

Departamento Prevenção Nacional

Apesar de não termos conseguido angariar apoios financeiros para esta área, consideramos que não podemos cruzar os braços. É nossa obrigação continuar a lutar pela prevenção do VIH e SIDA em Portugal, contribuindo ativamente para a agenda política e governamental, partilhando a nossa experiência e saber adquirido e, alertando ou denunciando situações, no sentido de contribuir para a definição de políticas mais coerentes e consentâneas no combate a esta pandemia, lutando em todos os casos pelos direitos das pessoas infetadas e afetadas, contra todas as formas de discriminação.

Para tal, contamos com a colaboração de todos os técnicos da ABRAÇO, com os seus saberes e conhecimentos nas diversas áreas do saber multidisciplinar e com um corpo vasto de voluntários espalhados pelo país que colaboram connosco nas campanhas de prevenção que realizamos.

Temos nesta área como objetivo continuar a desenvolver ações de prevenção que abranjam a população em geral e grupos mais vulneráveis à ocorrência da infeção, em diversos contextos (e.g. escolas básicas, secundárias e ensino superior, festivais de música, queima das fitas, semanas académicas, meio laboral, etc.).

Apesar de todos os esforços diários, em Portugal, uma em cada três pessoas potencialmente infetadas com VIH desconhece que se encontra nesta situação, potenciando-se novos casos de infeção e pondo em causa a vida dos que já estão infetados e não sabem ou o risco de reinfeção para os que sabem. Este conhecimento exige-nos uma responsabilidade acrescida para lutar e contrariar os dados que colocam Portugal na terceira pior posição em matéria de novas infeções no contexto europeu, onde apenas está à frente da Estónia e da Letónia. Se queremos reduzir e prevenir a transmissão do VIH em Portugal e, por conseguinte, na Europa temos de investir na prevenção, aconselhamento e despistagem. Só dessa forma podemos garantir o diagnóstico precoce, bem como o acesso e a adesão ao tratamento, diminuindo os números de diagnósticos tardios e melhorando os resultados do tratamento a longo prazo.

Comentários estão fechados.